Radicalismo sem profundidade

radicalismoHá aquelas pessoas que nunca tiveram qualquer contato com as doutrinas e teses que povoam o ambiente cultural. Existem, porém, outras que se debruçam sobre os temas, tentando entender o máximo que puderem sobre o que estudam. E, ainda, há aquelas que conhecem um pouco o assunto, estudam o mínimo possível sobre ele, leem algo aqui e ali e sabem se situar mostrando que entendem o necessário para, pelo menos, dar a impressão de que conhecem o que estão falando, sem, de fato, se esforçarem em um aprofundamento em relação ao que está diante de seus olhos. Os primeiros costumam simplesmente ignorar a existência da coisa, o que a torna como algo fora de seu universo de interesse. Os segundos, por seu lado, tendem a, quanto mais se aprofundam, encontrarem mais questionamentos que respostas, descobrindo, assim, que a verdade pode ser bem complexa. Porém, é entre os últimos que se encontram grande parte daqueles que se tornam protetores incondicionais de um ensinamento, paladinos histriônicos de uma doutrina, guerreiros enérgicos em favor de um pensamento. A verdade é que os mais barulhentos defensores de uma ideia são normalmente aqueles que sabem só um pouco sobre ela.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Deixe um comentário