Professor por vocação

Há os professores por profissão, que cumprem seus papéis, que são responsáveis, que gostam do que fazem e que até dão boas aulas. O mundo precisa deles. Se a maioria dos profissionais da educação fosse como eles, praticamente todos os problemas na área estariam resolvidos. Mas existe um grupo mais escasso, representado por poucos dentro do universo da pedagogia, e que não apenas oferece aulas satisfatórias dentro da matéria ministrada, mas torna o conhecimento dela algo altamente desejável.

Estes são os professores por vocação. A qualidade de suas aulas não está relacionada com o contra-cheque que recebem, nem com o nível de satisfação deles com o ambiente acadêmico onde estão inseridos. Sequer ela é afetada pelo seu humor. Isso porque, para um professor de vocação, o momento da ministração da aula é seu momento de redenção. Ali, ainda que temporariamente, seus problemas, seus anseios, suas frustrações e seus medos são deixados de lado, pois o que importa é a verdade transmitida, o assunto tratado.

Um professor vocacionado não é apenas alguém que despeja, burocraticamente, um conteúdo pré-determinado. É, de fato, um apaixonado. Mas sua paixão não está necessariamente ligada à matéria tratada e sim à possibilidade de compartilhá-la com seus alunos e fazê-los compreender as profundas razões daquilo que se trata.

Esse professor se realiza muito mais com o ensino do que com o elogio. Seu maior prazer é ver que aqueles que com ele aprenderam começam a dar seus primeiros passos desacompanhados. A verdadeira alegria de um professor por vocação é observar seus alunos mergulhando ainda mais fundo do que ele. E tal felicidade permanece, ainda que o próprio aluno não reconheça os méritos de seu mestre.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Deixe um comentário