Por que somos preguiçosos

 

Este não é um livro para preguiçosos! Não, pelo menos, se estivermos nos referindo ao preguiçoso como alguém lançado sobre o sofá da sala, com o controle remoto na mão, uma garrafa de cerveja ao lado, com a barriga suja de molhos usados no último sanduíche devorado, evitando todo tipo de compromisso, fugindo de suas obrigações, decidindo não fazer nada mais que o necessário para se manter vivo. Na verdade, em toda minha vida, conheci pouquíssimas pessoas que se encaixassem nesse perfil. Esse tipo parece mais um personagem de um romance qualquer, mas que pouco vemos na vida real. Aliás, ainda que existam pessoas assim, certamente elas não teriam interesse no que escrevo aqui. É que se alguém decide, conscientemente, que vai evitar, de todas as maneiras, cumprir com suas obrigações e manter-se deliberadamente no ócio, sequer o chamaria de preguiçoso, mas de vagabundo.

O vagabundo não quer mudar, já que decidiu ser como é, pois não vê vantagens no esforço. Ele acredita que sua atitude de não fazer nada lhe permite usufruir melhor o tempo, não desperdiçado em atividades cansativas e estressantes. Na verdade, ele acha que quem trabalha demais é bobo e está jogando fora sua vida, não usufruindo dos prazeres que ela oferece. É por isso que jamais se interessaria por este meu livro, afinal, o vadio não carrega remorsos, pois sua postura é um estilo de vida, que ele assumiu por entender ser a melhor forma de existir. O que ele precisa, de fato, é de uns bons bofetões ou de tratamento psiquiátrico, não de um livro. Portanto, corrigindo minha primeira sentença, eu posso dizer que este não é um livro para vagabundos. É, sim, para preguiçosos, como somos quase todos nós.

 

18 comentários em “Por que somos preguiçosos

  1. Estou há dias aguardando e não recebi o link para o ebook. Acabei de receber um email do NEC perguntando como foi a leitura.

  2. Baixei e estou lendo. Ótimo conteúdo e estou gostando. Confesso que eu precisava e de algo como este material!

  3. Estou na metade da leitura, identifiquei-me com um preguiçoso (postergador de minhas tarefas). Estou achando a leitura extremamente útil e é prazerosa na fluidez do texto. Obrigado pela oportunidade de receber esse presente.

  4. Acredito que até em razão da preguiça que me acomete, não terminei a leitura…rs. Mas me identifiquei com conteudo inicial, obrigado.

  5. Terminei a leitura em apenas dois dias, o que é raro. Boa parte de tamanha motivação veio de uma enorme sede por conhecimento relacionado ao tema.
    Tudo o que eu tinha eram apenas as minhas impressões pessoais, e pela primeira vez tive um diálogo, onde confirmei algumas delas e fui apresentado à origem de várias outras, que me passavam despercebido.
    Foi um livro de grande ajuda para mim, e proporcionou mudanças no meu modo de agir em curto espaço de tempo, pois consegui me entender melhor na minha eterna tendência à preguiça, a qual, como pregado no livro, devo estar sempre em constante vigilância.
    Muito obrigado, Fabio!

    • Fiquei muito feliz com seu comentário. O maior objetivo é esse mesmo: ajudar as pessoas a refletir sobre a situação. Muito obrigado!

  6. Por favor, quando saem os próximos vídeos do curso “Educação da Vontade”?

  7. Atraves do Brasil Paralelo tomei conhecimento que vc mora em Santos , como eu, e e um Professor ! Gostaria de poder fazer parte dos cursos. Fico no aguardo de sua resposta . Sou ex-aluna do Faculdade de Direito de Santos. estou sedenta para aprender. Iniciei o COF do Professor Olavo de Carvalho, mas assim que vi que vc e de Santos , seria maravilhoso te-lo como meu Professor. Grata.
    Iza Do Valle

    • Olá! Aqui é o Fabio Blanco e, no Brasil Paralelo, quem aparece é o Rafael Nogueira, que dá aula aqui conosco também. Será um prazer ter você aqui conosco. Venha assistir uma aula e conhecer nosso trabalho. As aulas do professor Rafael são às sextas à noite. Estamos lhe esperando.

Deixe um comentário