Radicalismo sem profundidade

radicalismoHá aquelas pessoas que nunca tiveram qualquer contato com as doutrinas e teses que povoam o ambiente cultural. Existem, porém, outras que se debruçam sobre os temas, tentando entender o máximo que puderem sobre o que estudam. E, ainda, há aquelas que conhecem um pouco o assunto, estudam o mínimo possível sobre ele, leem algo aqui e ali e sabem se situar mostrando que entendem o necessário para, pelo menos, dar a impressão de que conhecem o que estão falando, sem, de fato, se esforçarem em um aprofundamento em relação ao que está diante de seus olhos. Os primeiros costumam simplesmente ignorar a existência da coisa, o que a torna como algo fora de seu universo de interesse. Os segundos, por seu lado, tendem a, quanto mais se aprofundam, encontrarem mais questionamentos que respostas, descobrindo, assim, que a verdade pode ser bem complexa. Porém, é entre os últimos que se encontram grande parte daqueles que se tornam protetores incondicionais de um ensinamento, paladinos histriônicos de uma doutrina, guerreiros enérgicos em favor de um pensamento. A verdade é que os mais barulhentos defensores de uma ideia são normalmente aqueles que sabem só um pouco sobre ela.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Excitação intelectual

aula-de-argumentacaoQuando termino minhas aulas de Argumentação, dentro de meu curso de Oratória, fico incrivelmente excitado mentalmente. Trabalho, ao mesmo tempo, com cinco, seis até sete alunos tratando cada um de um tema diferente e eu orientando cada um individualmente. Isso, em vez de me cansar, me desperta de forma espetacular. Na verdade, somos preguiçosos e não acreditamos na capacidade que temos. Se nos déssemos chance de explorar mais nossa força cognitiva, confiando um pouco mais na memória, no raciocínio e na intuição, conseguiríamos fazer mais do que ordinariamente fazemos. Há muito tempo exercito meu cérebro em minhas atividades, mas nessas aulas descobri que é possível ir além. Descobri que trabalhar em alto nível intelectual pode ter efeitos fortemente excitantes. A sensação deve ser melhor que o uso de drogas sintéticas, com a vantagem de não deixar aqueles efeitos colaterais de torpor e culpa que acompanha os drogados. Usar o cérebro dessa maneira é demais prazeroso e as pessoas deveriam tentar experimentar mais disso. Talvez descobrissem que o prazer não reside apenas naquelas atividades mais animalescas, onde quase todos buscam sua alegria.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Morte do espírito científico

estante-de-livrosO espírito científico, se é que um dia existiu, morreu! Aquela distância necessária ao debruçar-se sobre um tema, de onde o estudioso analisa os fatos, observa os dados e tira disso suas conclusões estreitou-se enormemente. Estão todos defendendo algo, são paladinos de alguma fé, de uma ideologia ou mesmo de uma preferência qualquer. Parece até que aquela ideia de que tudo nesta vida é política é verdadeira. Na verdade, esta, que é uma concepção puramente marxista, impregnou-se no inconsciente coletivo e, de alguma maneira, tem justificado o partidarismo científico, religioso e intelectual. Sendo assim, a sociedade perde muito, pois como confiar em cientistas, filósofos e historiadores que têm como principal objetivo defender aquilo que já escolheram de antemão?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someonePrint this page

O esforço necessário ao exercício intelectual

esforco-intelectualEm uma cultura como a brasileira, tão avessa às questões mais elevadas, o empreendimento intelectual costuma ser visto como uma forma fácil de se viver, que não exige esforço, que não resulta em suor. As pessoas tendem a valorizar o esforço físico, vendo este como verdadeiro trabalho, enquanto quem passa o dia atrás de uma mesa, ainda que seja escrevendo uma enciclopédia, não tarda a ser chamado de sedentário. … Leia mais

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Professor por vocação

Há os professores por profissão, que cumprem seus papéis, que são responsáveis, que gostam do que fazem e que até dão boas aulas. O mundo precisa deles. Se a maioria dos profissionais da educação fosse como eles, praticamente todos os problemas na área estariam resolvidos. Mas existe um grupo mais escasso, representado por poucos dentro do universo da pedagogia, e que não apenas oferece aulas satisfatórias dentro da matéria ministrada, mas torna o conhecimento dela algo altamente desejável.

Leia mais

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someonePrint this page